O objetivo dos ensaios do laboratório OTA é verificar se o equipamento propaga as ondas eletromagnéticas de acordo com o esperado e se ele recebe sinais de baixa potência da estação rádio base, por exemplo, e ainda assim consegue manter a comunicação estabelecida com um nível de qualidade considerado adequado.

Os testes de OTA (over-theair performance) são ensaios radiados feitos dentro de uma câmara totalmente anecóica, composta por um arco de 23 antenas e uma turntable que permite a rotação do equipamento sendo testado.

Para dispositivos sem fio, dois tipos de ensaios podem ser realizados: potência radiada e sensibilidade isotrópica, gerando-se um diagrama 3D para cada um desses parâmetros.

É possível gerar diagramas de radiação para antenas (ativas e passivas) e obter parâmetros como ganho, eficiência e diretividade. Os gráficos gerados permitem a análise dos pontos de melhor e pior caso e também a comparação entre resultados, por exemplo.

Esse tipo de ensaio é de extrema importância para verificar a qualidade do projeto do sistema de transmissão de tecnologia sem fio do equipamento. É importante para adequação dele para os mercados nos quais ele será vendido, pois esse ensaio permite que seja validado seu comportamento em diversas frequências e que seja verificado se o diagrama de radiação é adequado para o ambiente no qual ele será implementado.

Exemplo de aplicação

nos casos de frequências de celular, temos mais de 40 bandas possíveis de operação em 4G. Cada mercado utiliza seu próprio subconjunto e é possível que o equipamento sendo testado ofereça uma performance estelar nas bandas dos EUA, mas não seja tão bom nas bandas do Brasil ou da Argentina, por exemplo.

É possível testar tecnologias celulares (2G, 3G, 4G), Wi-Fi e Bluetooth, além de outras tecnologias sem fio que estiverem na faixa de frequência de 600 MHz a 6 GHz.

Para a realização desses ensaios, são utilizadas as principais normas internacionais reconhecidas para este tipo de escopo, como 3GPP TS 34.114 e 3GPP TS 37.544.

O laboratório está em fase de reconhecimento junto ao CTIA.

Diagrama de radiação de um celular operando em 4G. É importante verificar o projeto da antena para as frequências do país em que o dispositivo será vendido

As ferramentas para desenvolvimento permitem a manipulação e comparação dos resultados. O diagrama gerado pode ser quebrado em partes para análise dos pontos de melhor e pior caso, por exemplo