Eldorado demonstra primeiro ultrassom fabricado inteiramente com tecnologia nacional

(13/3/2014)

A tecnologia em ultrassom no Brasil tem boas notícias: uma nova plataforma, totalmente pensada e desenvolvida no país, promete dar origem a vários aparelhos de ultrassonografia para uso por parte das redes pública e privada de saúde.

Um protótipo, desenvolvido pela equipe de engenharia do Instituto de Pesquisas Eldorado, em parceria com docentes da Faculdades de Medicina da UNICAMP e USP, no âmbito do projeto ULTRASSOM, foi apresentado ao público, em Brasília, na 6ª Reunião do Comitê Executivo e Conselho de Competitividade do Complexo Industrial da Saúde. Na ocasião, o ministro da Saúde, Alexandre Padilha, disse que no evento estava “representado o PIB da saúde no Brasil”, pois além dele, estiveram presentes o presidente da ANVISA, Dirceu Brás Aparecido Barbano, executivos do setor da Saúde, representantes de entidades patronais e pesquisadores da área.

“Tendo sido feito por um centro de pesquisas nacional, em parceria com empresas e universidades também nacionais, o desenvolvimento da plataforma vai resultar em produtos bem mais adequados ao perfil da sociedade brasileira”, aponta Haroldo Onisto, líder de projeto no departamento de Hardware do Eldorado, em Campinas.

O principal objetivo é fazer com que a aparelhagem evolua para diversos instrumentos hospitalares de grande e pequeno porte – portanto, não se trata de uma máquina com uma finalidade única de que se possa fazer uso em um hospital. “A plataforma serve justamente para proporcionar o domínio da tecnologia para os engenheiros do Eldorado e das universidades que trabalham conosco”, conta Onisto.

O engenheiro ressalta ainda que a possibilidade de se desenvolver equipamentos modernos – aos quais a população brasileira terá acesso através das redes pública e particular de saúde – permite maior difusão e acesso à tecnologia. “Está dentro de um programa que visa disponibilizar soluções inovadoras que se adequem ao perfil da população brasileira”, completa ele. Outro objetivo importante do ULTRASSOM ao promover o desenvolvimento desta tecnologia é diminuir a remessa de divisas com importações em ultrassonografia – além de dar impulso à produção científico-tecnológica em um nicho que ainda não se domina no país.

No momento, empresas interessadas no desenvolvimento de aparelhagens médico-hospitalares negociam com os gestores do projeto. “Há múltiplas fases no ULTRASSOM e, à medida em que se progride, diferentes parceiros vão se interessando e tomando parte no projeto”, elucida Onisto.

A importância do desenvolvimento de uma tecnologia nacional de ultrassonografia

Nos últimos 10 anos, segundo o IBGE os valores das importações de equipamentos eletrônicos para a área médica aumentaram 339%, impulsionado especialmente por aparelhos de ultrassonografia, ressonância magnética nuclear e tomografia computadorizada. Estima-se que este mercado movimente mais de U$1,5 bilhão por ano, sendo que U$500 milhões para o mercado de diagnóstico de imagem.

Nesta área, por exemplo, as políticas adotadas pelos Departamentos de Tecnologias Médicas Essenciais, da Organização Mundial da Saúde – OMS, preconizam que 20% a 30% dos casos clínicos necessitam o diagnóstico por imagem a fim de proporcionar maior resolutividade do diagnóstico; além disso, 80% desses casos podem ser resolvidos utilizando raio-X simples ou ultrassom.