Oficina PLN & Soluções Cognitivas

(16/06)

Oficina Tecnológica – Processamento de Linguagem Natural & Soluções Cognitivas

As Oficinas Tecnológicas buscam fomentar aprendizados inéditos e a criação de projetos em novas e inexploradas áreas de atuação. Assim, o estudo sobre Processamento de Linguagem Natural (PLN) & Soluções Cognitivas entrou no radar de tecnologias a serem estudadas no ano de 2016.

Um dos temas do ciclo 2016, das Oficinas Tecnológicas do Eldorado, foca em uma subárea da inteligência artificial e da linguística computacional que utiliza um conjunto de métodos e técnicas para permitir que computadores extraiam significados a partir da linguagem natural humana. Essa é a Oficina de Processamento de Linguagem Natural (PLN), Text Mining e Soluções Cognitivas que tem por objetivo estudar as definições, conceitos e aplicações dessas áreas.

A Oficina conta com a colaboração de diversos departamentos das unidades de Campinas e Porto Alegre e foi criada com base em algumas análises realizadas em Hype Cycles do Gartner que apontam essas tecnologias, abordadas pela Oficina, em diferentes contextos, mostrando sua amplitude no mercado e oportunidades nos próximos anos.

“PLN é explorado desde a década de 50 e vem ganhando maior foco e popularização com os assistentes virtuais e os bots. Portanto, temos interesse em explorar essas novas tendências tecnológicas que surgem a partir de áreas já conhecidas. Nosso foco está na ampliação do conhecimento e nas possibilidades futuras para essa tecnologia. Desta forma, nossas equipes se mantêm preparadas para potenciais projetos”, explica Márcia Santos, Gerente de Pesquisa e Desenvolvimento.

Durante a Oficina, além do estudo mais aprofundado que direciona os esforços para conhecimentos alinhados à estratégia de negócios, o Eldorado realiza algumas provas de conceito com finalidade de prototipar e testar o conhecimento adquirido. Uma destas provas de conceito feitas pela equipe da oficina utiliza o assistente pessoal Microsoft Cortana para reservar salas de reunião do próprio Instituto. Outro protótipo utiliza bots juntamente com os sistemas cognitivos para interagir naturalmente com os usuários, permitindo a realização de buscas de informações como o ramal telefônico dos colaboradores do Instituto. Além disso, o protótipo é capaz de descrever informações sobre o conteúdo visual de uma imagem, quando solicitado.

“Através da elaboração de provas de conceito, evidenciamos o know-how do Instituto em tecnologias que podem ter aplicabilidade em alguns dos mercados em que atuamos, como o de Healthcare e Energia.”, finaliza Márcia Santos.