Oficina Tecnologia Assistiva & Healthcare

(28/09/2016)

Oficina Tecnologia Assistiva & Healthcare 2016

O uso de plataformas móveis alinhado com a tecnologia de IoT e geração de dados para analytics na área de saúde permitem o desenvolvimento de soluções inovadoras para o mercado. É nesse escopo que a Oficina de Tecnologia Assistiva & Healthcare está trabalhando.

Neste ano, a Oficina de Tecnologia Assistiva expandiu seu escopo e incluiu o desenvolvimento de Mobile Apps para Healthcare. O objetivo da iniciativa foi criar cases na área de saúde, buscando aproximação com hospitais e faculdades, além de propiciar aplicações práticas dos conhecimentos tecnológicos nessa área.

“Nossa meta é explorar a capacidade das plataformas móveis por meio de wearables, smartphones e tablets, alinhando com uso de IoT e analytics para suprir necessidades e propor soluções para o mercado de saúde”, relata Eros Pagnano, um dos responsáveis pela Oficina. As tecnologias apontadas como tendência pelo Gartner na área de saúde e mobile direcionam as pesquisas e o desenvolvimento.

Uma das linhas de pesquisa é a adoção de tecnologias multiplataforma para desenvolvimento de apps. Nesse cenário, foi realizado o desenvolvimento de um aplicativo utilizando a tecnologia Xamarin. “A ideia é que a mesma linguagem consiga trabalhar em Android, iOS e Windows Phone”, conta Pagnano. Os colaboradores do Eldorado desenvolveram um app durante a Oficina para aumentar o engajamento dos pacientes e auxiliar na execução de exercícios de fisioterapia para uma finalidade específica. O aplicativo faz parte da análise da dissertação de um mestrado que foi entregue neste mês. A aplicação está sendo implementada em parceria com um hospital local especializado em cuidados da mulher.

Em paralelo, a equipe de desenvolvimento da Oficina adotou recursos disponibilizados pela Apple que auxiliam na criação de aplicativos na área de saúde: o ResearchKit e o CareKit. Uma vantagem está na facilidade em compartilhar informações com o aplicativo Health da Apple e em diferentes dispositivos, como iPhone, iPad e Apple Watch.

Como resultado desse trabalho, o time do Eldorado está desenvolvendo um aplicativo com o objetivo de auxiliar no registro de informações diárias que são necessárias para o tratamento médico. “Em conjunto com um professor da faculdade médica, entendeu-se que muitos pacientes registram informações relevantes para o tratamento na sala de espera, tornando o tratamento ineficiente e pouco preciso”, conta Pagnano. O aplicativo permitirá que as informações sejam preenchidas de maneira rápida e prática. “A informação fica armazenada e pode ser compartilhada com o médico e com outros aplicativos”, pontua o sponsor da Oficina.

Outro ponto estudado, ainda no universo da Apple, é a Apple TV. Na última geração do aparelho, é possível o desenvolvimento de aplicações embarcadas. Até então, o produto não contava com essa possibilidade, mas, hoje, existe uma loja na Apple TV em que é possível baixar aplicações. “Estamos explorando as possibilidades e aplicabilidades na área de saúde. Uma linha da pesquisa faz uso da utilização do controle remoto, que possui um acelerômetro. A segunda linha de pesquisa envolve o reconhecimento de beacons pela Apple TV”, relata Pagnano.

O beacon é um pequeno dispositivo que emite sinais por meio da tecnologia Bluetooth Low Energy (BLE). Esses sinais podem ser captados por diversos dispositivos.

Por fim, a Oficina também pesquisa a aplicabilidade dos sistemas cognitivos. Foi realizada uma pesquisa envolvendo interação medicamentosa, que são alterações nos efeitos de um medicamento em razão da ingestão simultânea de outro. “No estudo dessa aplicação, trabalhamos com duas soluções, envolvendo Alexa (Amazon) e Watson (IBM). Através de uma conversa tanto com Alexa como com Watson, utilizamos linguagem natural para questionar se os medicamentos possuem interação entre si. Com o uso do sistema cognitivo, eles fazem o reconhecimento dos medicamentos mencionados na frase e buscam em um banco de dados se a interação existe, respondendo apropriadamente ao usuário. Optamos por trabalhar com duas soluções distintas para entender as similaridades e diferenças entre elas”, explica Eros.

Aplicativo TrackBee é um dos cases mais consolidados dessa Oficina

O Eldorado, em parceria com o HC da Unicamp e a Intel, viabilizou a implantação, em maio, de uma solução de indoor location (localização interna) para profissionais que atuam no transporte intra-hospitalar de pacientes no Hospital das Clínicas da Unicamp. O objetivo é reduzir o tempo de espera dos pacientes em salas de exame, otimizando a alocação da equipe de escolta e dando mais visibilidade da movimentação dos profissionais de transporte para a central de controle de transporte intra-hospitalar.

No hospital, anualmente, são realizados 2,6 milhões de consultas e procedimentos ambulatoriais, mais de 3,3 milhões de exames, 15 mil internações eletivas e de urgência, e quase 15 mil cirurgias, o que equivale, em média, a 40 cirurgias diárias. Com um fluxo grande de pessoas diariamente no hospital, o apoio dessa nova tecnologia para o controle de transporte intra-hospitalar poderá proporcionar grandes benefícios aos pacientes e contribuir para a otimização de alguns processos.

Como solução, o Instituto desenvolveu um aplicativo compatível com o sistema de proximidade em ambientes fechados, baseado em beacons, que visa auxiliar na gestão da equipe de escolta intra-hospitalar para pacientes. Essa solução baseia-se na utilização de diversos beacons espalhados no hospital e de um aplicativo Android, disponibilizado pelo Eldorado, que utiliza a intensidade do sinal desses beacons para identificar o quão próximo o profissional se encontra de um determinado beacon. Isso permite definir com mais precisão a sua localização.

Os testes da solução estão sendo realizados no setor de cardiologia do hospital. Existem onze beacons instalados nos principais locais da especialidade, como a enfermaria de cardiologia, o elevador, os laboratórios e algumas salas de exame. Assim que o profissional passa com seu smartphone, que possui o aplicativo instalado, a central sabe que ele se encontra naquele local.